A Instituição O Portal As Publicações Contactos Privacidade
Cultura
 
Dia da Cultura de Cabo Verde: 18 de Outubro
Dia Internacional da Diversidade Cultural:
21 de Maio


Influências

Resultante de uma mestiçagem entre colonos europeus e escravos africanos, que se fundiram num só povo, o crioulo revela, não apenas na cor da pele e na língua, a sua herança europeia e africana. O carácer afável e hospitaleiro, a sua forma de estar e viver muito próprias, reunidas no termo "morabeza", os seus costumes e tradições, moldadas pelas influências culturais múltiplas favoreceram a emergência de uma identidade cultural diferenciada: o "badiu" (natural das ilhas do sul do arquipélago, Sotavento, marcadamente mais africana) em oposição ao "sampadjudo" (natural das ilhas do norte do arquipélago, Barlavento, de influência mais europeia).

Religião

Em Cabo Verde professa-se a Religião Cristã, maioritariamente Católica (92%), obtendo alguma expressão a Igreja Protestante (8%). No entanto, também na crença espiritual a mestiçagem deixou as suas marcas através de uma manifestação religiosa híbrida: a tabanka. Nos últimos anos algumas outras igrejas vêm-se implantando progressivamente.

Música (consulte www.cvworldmusic.com)

A música caboverdeana, com raízes europeias e africanas, brasileiras e caribenhas, é a expressão mais pura dos sentimentos de um povo que canta o amor, o sofrimento, a saudade, com tanta alegria quanto melancolia. Como linguagem privilegiada, a música de Cabo Verde afirma-se como principal embaixadora do País. Com os seus acordes tradicionais vai cativando o mundo revestindo-se de enorme valor na divulgação e promoção do arquipélago no exterior. As recentes distinções conferidas quer à sublime Cesária Évora (Prémio World Music), a rainha da música caboverdeana com a sua voz doce e timbrada, quer a Suzana Lubrano (Melhor Artista Africana 2003), vieram coroar a indiscutível qualidade dos "produtos" da cultura caboverdeana que com os seus acordes vão cativando o mundo.

A morna, nascida de um encontro entre o fado e os ritmos africanos canta o amor, o sofrimento e a nostalgia do povo de Cabo Verde e é a expressão mais fiel da sua alma. Originária da Boavista mas elevada a um superior patamar de sofisticação por Eugénio Tavares (clique para aceder ao site) e B.Leza ,que lhe conferiram o título de rainha da música caboverdeana, é tradicionalmente tocada com instrumentos acústicos, como o violão, cavaquinho (pequena guitarra de 4 cordas) e violino. A coladera, com uma intensa fusão afro-brasileira, é mais alegre. O popular funaná, ritmo tradicional da Ilha de Santiago, traz à tona toda a expressão de uma musicalidade saudável e quente, com ingredientes que o aproxima ao "zouk" das Antilhas; nas festas tradicionais de Santiago escutam-se o batuque (canto colectivo), o finaçon (improviso) e a tabanka com diálogos cantados, palmas e percussões africanas cujas origens remontam aos tempos da escravatura; a mazurca e a contradança, que se introduziram nas ilhas no século XVI, ainda são comuns em Santo Antão e São Nicolau.

A nova geração, seguindo o caminho aberto pela "diva dos pés descalços", marca já forte posição no mundo da música internacional: Lura, Suzana Lubrano, Mayra Andrade, Nancy Vieira, "Tcheka", Biús ocupam o lugar de artistas de outros tempos como Bana, Ildo Lobo, Titina, Dany Silva, Paulino Vieira, Tito Paris, Bau, Luís Morais, Chico Serra, "Voginha", Norberto Tavares, Tubarões, Bulimundo ou Finaçon. Outros artistas e agrupamentos, menos conhecidos mas exímios executantes da música crioula de qualidade, como Malaquias Costa (na foto), Vasco Martins, Mendes Brothers, Simentera, Gil & The Perfects ou Ferro Gaita, levam ainda a música de Cabo Verde além fronteiras. Através de todos eles a música caboverdeana revela a sua universalidade e tipicalidade.

Os instrumentos musicais habitualmente utilizados são o Violino, Acordeão e “cavaquinho”.

Artes Plásticas e Artesanato

imgTambém nas Artes Plásticas o talento dos artistas caboverdeanos se manifesta. O artesanato caboverdeano é jovem e imaginativo. Objectos decorativos como peças de cerâmica, batiks (tecidos tingidos artesanalmente), esculturas em casca de coco, pedra vulcânica, barro ou osso, bijuterias em conchas, tecidos e panos bordados à mão -panu di terra-, bonecas de trapos, interessantes tecelagens e tapeçarias, são artigos que se podem adquirir nos hotéis, lojas e ateliers dos próprios artistas.

Esta vertente da cultura caboverdeana afirma-se através de nomes como Manuel Figueira (pintura), Isabel Figueira (pintura), Bela Duarte (pintura e batik), David Levy Lima (pintura, a viver em Portugal), Kiki Lima (pintura), Leão Lopes (pintura e artesanato), Tchalê Figueira (pintura), Joana Pinto (pintura, tapeçarias e batik), Misá, entre outros, qualquer deles referência além-fonteiras.

imgÉ conveniente referir que os objectos em madeira, como estatuetas, máscaras e animais, que se encontram à venda nos principais centros turísticos, não representam artesanato caboverdeano tratando-se de objectos reproduzindo temas da cultura e fauna da costa africana continental.

A pesca da tartaruga é proibida pelo que se desaconselha a aquisição de artesanato baseado na sua carapaça.

Objectos tradicionais: Cinzeiros e Candeeiros em casca de coco; Figuras, Garrafas e Chávenas em barro; Jogos de Uril em madeira.

Gastronomia

Colorida pelas influências africanas mas incorporando alguns hábitos da cozinha tradicional portuguesa a gastronomia caboverdeana é rica em cores e sabores. A base da alimentação tradicional são os alimentos produzidos localmente, quase sempre incorporando o milho. Pratos de carne (porco, vaca, cabra e cabrito), simples ou guarnecidos com verduras, ou de peixe garantem uma variedade de sabores. O prato nacional de referência é a catchupa, confeccionado com carnes várias (frango, vaca, porco e enchidos) acompanhado de milho “cochido”, feijão ou favas, batata e couve e enriquecido, por vezes, com ovos fritos ou peixe. Também o modje Manel Antóne (cabrito) suscita as delícias dos apreciadores da cozinha africana.

Cabo Verde, com o seu mar rico em espécies marinhas, sustenta a variedade da cozinha caboverdeana proporcionando agradáveis surpresas aos apreciadores de peixe e marisco. Nesta vertente o prato típico nacional é o caldo de peixe; o atum, peixe serra, espadarte, garoupa, esmoregal e a moreia, são algumas das espécies mais apreciadas; percebes, búzios, polvo e lagosta merecem destaque especial. É típico comer bafas de marisco, apresentadas como entradas ou simples aperitivos.

imgAs sobremesas não devem passar despercebidas. De paladares diferenciados a doçaria, variada, baseia-se no leite e nas frutas nacionais -papaia, manga, coco, azedinha.
Os 
pudins, de queijo, café ou leite, são também referências importantes na cozinha caboverdeana. O queijo de leite de cabra, oriundo da Boavista, acompanhado de doce de papaia (apelidado de Romeu e Julieta) é uma das sobremesas mais apreciadas.


A pesca da tartaruga é proibida devendo evitar-se consumo da sua carne e ovos.

Entre as bebidas não se deve deixar de provar o vinho frutado do Fogo (branco e tinto), o manecon, produzido nas encostas do vulcão, e o café cru, um dos melhores do mundo. O famoso grogue, aguardente de cana-de-açúcar, bebida fortemente alcoólica e fabricada ainda por métodos artesanais na ilha de Santo Antão ou em zona rurais de Santago, encontra-se generalizado por todo o arquipélago podendo ser adquirido em atraentes embalagens. O pontche e os licores de frutos juntam o “grogue” aos sabores tropicais.

Festividades

Geralmente em Fevereiro, o Carnaval é celebrado em todas as ilhas com especial evidência para os de Mindelo (São Vicente) e São Nicolau;

Em Abril, a festa da Bandeira de São Filipe (Fogo);

Em Maio o Festival da Gamboa pelas festas da Cidade da Praia (Santiago);

Em Junho, as festas tradicionais de São João e Santo António (Brava, Santo Antão e São Nicolau). A tabanka precede o São João (Santiago e Maio);

Em Agosto, o Festival da Baía das Gatas (São Vicente), evento musical com projecção internacional;

Em Setembro, o Festival de Música de Santa Maria (Sal), incluído nas festas do Dia do Município (Nossa Senhora das Dores).
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Powered by:
www.xic.pt